Skip to content
3

Trabalhar no exterior #56

rfviolato started this conversation in Discussão
Trabalhar no exterior #56
Feb 17, 2016 · 436 comments · 28 replies

Gostaria de abrir aqui a discussão sobre este assunto que me interessa muito.

Podemos discutir quais os obstáculos para conseguir uma vaga lá fora, quais os ganhos e perdas com isso, e pra quem teve a oportunidade para tal, compartilhar aqui suas experiências.

Acho também válido quem faz remoto para empresas estrangeiras passar experiências de codar para/com os gringos.

Acho também válido expor quais países possuem mais e menos obstáculos para conseguir a tão sonhada vaga na gringa.

Replies

436 comments
·
28 replies
1

Adiantando obstáculos comuns: Inglês e visto.

Sobre o Inglês li neste artigo muito bom que não é necessária a fluência e sim conseguir se comunicar minimamente.

Quanto ao visto andei pesquisando bastante, e em geral notei que vistos nos EUA precisam de diploma na área (Ciência da Computação por exemplo), enquanto na Europa isso é um pouco menos pedido, porém cidadania européia é algo que ajuda muito na hora de conseguir o emprego.

0 replies
1

Vou chamar algumas pessoas que podem contribuir nessa issue: @vinicius5581 @zenorocha @caiogondim @cyberglot @rafaellyra

0 replies
2

Inglês: eu sinto que as pessoas tendem a ignorar mais quem fala um inglês pior. Como eu trabalho com gente que tem o inglês perfeito e outras (como eu) que tão na fase de aprimoramento, eu percebi isso. Não sei se é algo cultural daqui ou não. Edit: não é raro ver algumas pessoas fazendo "english shaming" de outras em particular, mas falar na tua cara ninguém vai falar não (ou pelo menos nunca vi).

Diploma: em geral você precisa sim, as vezes você pode dar sorte de não precisar. Na Dinamarca, por exemplo, você pode conseguir o visto sem o diploma, mas é um visto pior (você fica preso à empresa e depende do quanto você vai ganhar por ano). Em todas as entrevistas que eu fiz (menos na Booking.com, que eu realmente não lembro), as pessoas sempre comentam: que bom que você tem mestrado, isso vai deixar o visto muito mais fácil.

0 replies
1

Ótimo assunto!

Tenho participado de uma comunidade chamada VanHack, que ajuda brasileiros que atuam na area de Mídia Digital e Tecnologia a se prepararem para o mercado Canadense, em específico Vancouver, que é o meu objetivo de ir.

Posso estar contribuindo com informações e dicas que eu for encontrando com o pessoal da comunidade.

Quem quiser saber mais:

https://www.vanhack.com/

0 replies
1

@cyberglot Sério que rola esse tipo de coisa por causa do inglês? Complicado. Vou começar a fazer um curso, mas acredito que demore alguns anos para estar em um nível igual dessas pessoas.

Quanto a necessidade de diploma, em último caso, indico que façam um curso tecnólogo, em geral eles tem de 2 a 3 anos e contam como curso superior. Eu fiz um curso desse logo no começo, acho que para esse motivo, vale a pena.

O @diogorodrigues comentou na issue #39 que está começando um também.

0 replies
1

fiquei surpreso em saber que ter um curso superior iria ajudar lá fora. Acho que vou começar a fazer um técnico.

0 replies
1

@mikejavier No caso tem que ser tecnólogo, que você faz em faculdade e tal, mas com menor duração. Sabe?

0 replies
1

@LFeh sim sim , era a esse que tava me referindo.

0 replies
1

@cyberglot Pode ser estereótipo, mas não seria um fator cultural dos dinamarqueses serem mais reservados mesmo? E em teoria, ignorar todas as pessoas? haha

0 replies
1

Em ambiente de trabalho, discutindo coisas de trabalho? Não sei, mas o grupo sempre foi internacional de qualquer forma.

0 replies
1

@cyberglot ah sim, agora entendi seu ponto. Achei que era no sentido de se "enturmar" e socializar, não coisa relacionada ao trabalho diretamente. Enfim, tenso mesmo!

0 replies
1

@LFeh e galera! Então, estou fazendo Produção Multimídia (SENAC), um curso tecnológico e que abrange muito de web. Vale a pena para quem também deseja ter um diploma rápido.

Na UNIP tem esse curso (mas nunca fecham turmas) e em outras faculdades espalhadas por SP também.

0 replies
1

Ah, de socializar, os dinas não socializam com ninguém mesmo, nem conta. 😂

0 replies
1

Sobre o diploma: Aqui na Holanda eles não ligam muito pra diploma. Mas a Alemanha já pede. Para USA ajuda muito ter um diploma.
Sobre o nível de inglês: Isso quem decide é a empresa onde vc vai trabalhar.

2 replies
@BrunoGianetti

Tenho conferido esse mesmo posicionamento com outros devs. Holanda é realmente algo bem atraente pra mim.

Possuo uma formação técnica e agora estou fazendo uma reciclagem para reentrar na área. Tenho formação superior tb, mas é em outra área.

Investi na cidadania italiana com o objetivo de derrubar barreiras burocráticas e tenho inglês B2 intermediário certificado. Acredito que com prática do dia a dia a performance melhore bem.

Nesse momento de economia global fragilizada é bem complicada, mas com motores quentes, mesmo sem ter lido nenhuma linha de código python na vida há uns anos, recebi proposta de um italiano pra trabalhar na Alten. Penso que muito vai de fatores exógenos também. Eles ajudam.

Aqui no Brasil, nos últimos 20 dias, fiz 47 candidaturas e somente 2 pessoas se interessaram. Os 2 ofertantes furaram no horário marcado. O país está bem fragilizado por conta da COVID péssima gestão governamental.

@rafaels88

Só um adendo sobre a sua resposta @BrunoGianetti em relação ao que o @caiogondim citou sobre o diploma. Isso vale pra quem não tem cidadania europeia, tá?. Se você consegui/conseguir tirar a cidadania Italiana, daí tranquilamente pode conseguir emprego em país como Alemanha sem diploma. A questão de diploma é mais pra conseguir tirar o visto, não sobre as empresas em si.

1

Sensacional as informações agregadas aqui an discussão galera! To aqui comendo minha pipoquinha e lendo geral hahaha

Achei um canal no youtube interessante onde esse cara postou vários vídeos sobre trampar nos EUA:
https://www.youtube.com/channel/UCdHcO3zYXVco91CIAk1u4PA

0 replies
1

Olá pessoal!

Gostaria da ajuda de vocês.

Meu nome é Guilherme, tenho 28 anos e sou desenvolvedor FullStack com conhecimento em .NET e Angular. Trabalho com TI há 7 anos, desde suporte, sysadmin e desenvolvimento.

Tenho:

  • inglês fluente
  • Viajei para o Canada pela última empresa que trabalhei (multinacional de petróleo), consegui o visto B1 de negócios.
  • Atualmente trabalho em uma fintech brasileira.
  • Sei design patterns, estrutura de dados e toda a parte técnica.

Quero ir para ficar nos EUA ou Canada.

Me canditato diariamente em dezenas de vagas no LinkedIn e StackOverflow Jobs. A minoria das empresas responde. Consegui poucas entrevistas.

O que falta para eu conseguir um trabalho em uma empresa de fora?

Qualquer ajuda é muito bem vinda.

6 replies
@rodrigouchoa

Olá pessoal!

Gostaria da ajuda de vocês.

Meu nome é Guilherme, tenho 28 anos e sou desenvolvedor FullStack com conhecimento em .NET e Angular. Trabalho com TI há 7 anos, desde suporte, sysadmin e desenvolvimento.

Tenho:

  • inglês fluente
  • Viajei para o Canada pela última empresa que trabalhei (multinacional de petróleo), consegui o visto B1 de negócios.
  • Atualmente trabalho em uma fintech brasileira.
  • Sei design patterns, estrutura de dados e toda a parte técnica.

Quero ir para ficar nos EUA ou Canada.

Me canditato diariamente em dezenas de vagas no LinkedIn e StackOverflow Jobs. A minoria das empresas responde. Consegui poucas entrevistas.

O que falta para eu conseguir um trabalho em uma empresa de fora?

Qualquer ajuda é muito bem vinda.

Cara, acho que o momento atual não é favorável. Pandemia tá fazendo muitas empresas pensarem 10x antes de patrocinar vistos. Pelo menos aqui em Londres onde moro tenho essa impressão, tirando pela própria empresa onde trabalho.

No fim das contas, procurar emprego sempre é preciso sorte. Quando é no exterior é preciso mais sorte ainda já que a exigência fica maior. Patrocinar vistos não é de graça, custa tempo e dinheiro, demora mais pro candidato começar.. O risco para o empregador é bem maior.

Acho que o melhor conselho que posso dar pra você é ter paciência mesmo.

@hjdesigner

Você já pensou em usar o serviços da https://vanhack.com/ ou https://www.evisaimmigration.com/en/
Pelo que estou escutando sobre o canada e seu plano de imigração para esse ano parecer ser um momento favoravel.
No canal do youtube da e-visa tem bastante conteúdo sobre isso

@wbail

Olá pessoal!
Gostaria da ajuda de vocês.
Meu nome é Guilherme, tenho 28 anos e sou desenvolvedor FullStack com conhecimento em .NET e Angular. Trabalho com TI há 7 anos, desde suporte, sysadmin e desenvolvimento.
Tenho:

  • inglês fluente
  • Viajei para o Canada pela última empresa que trabalhei (multinacional de petróleo), consegui o visto B1 de negócios.
  • Atualmente trabalho em uma fintech brasileira.
  • Sei design patterns, estrutura de dados e toda a parte técnica.

Quero ir para ficar nos EUA ou Canada.
Me canditato diariamente em dezenas de vagas no LinkedIn e StackOverflow Jobs. A minoria das empresas responde. Consegui poucas entrevistas.
O que falta para eu conseguir um trabalho em uma empresa de fora?
Qualquer ajuda é muito bem vinda.

Cara, acho que o momento atual não é favorável. Pandemia tá fazendo muitas empresas pensarem 10x antes de patrocinar vistos. Pelo menos aqui em Londres onde moro tenho essa impressão, tirando pela própria empresa onde trabalho.

No fim das contas, procurar emprego sempre é preciso sorte. Quando é no exterior é preciso mais sorte ainda já que a exigência fica maior. Patrocinar vistos não é de graça, custa tempo e dinheiro, demora mais pro candidato começar.. O risco para o empregador é bem maior.

Acho que o melhor conselho que posso dar pra você é ter paciência mesmo.

Poxa obrigado mesmo pelas dicas. Realmente agora é paciência e perceverança.

1
1 reply
@wbail

Vou ver sim os vídeos! Obrigado!!!

1

Recomendo a Vanhack a todos que queiram imigrar para o Canada. Foi como eu vim pra ca. Fora isso, ingles tem que estar no minimo avancado e ajuda bastante se atualizar nas tecnologias que estao sendo usadas no momento no exterior.

1 reply
@wbail

Então, eu fiquei com um pé atrás de contratar esses serviços. Usei um para a europa e nunca deu retorno de nada. Paguei 30 euros e nada.

Mas vou ver a Vanhack. Ele ajudam com currículo e indicam para as empresas?

2

Gostaria de abrir aqui a discussão sobre este assunto que me interessa muito.

Podemos discutir quais os obstáculos para conseguir uma vaga lá fora, quais os ganhos e perdas com isso, e pra quem teve a oportunidade para tal, compartilhar aqui suas experiências.

Acho também válido quem faz remoto para empresas estrangeiras passar experiências de codar para/com os gringos.

Acho também válido expor quais países possuem mais e menos obstáculos para conseguir a tão sonhada vaga na gringa.

Boa tarde pessoal!

Vou dar meu depoimento e espero contribuir com alguma coisa.

Estou trabalhando em Portugal a quase 5 anos, hoje trabalho como Software Engineer para a BMW, tenho amigos que trabalham em IT na Noruega, Irlanda, Alemanha, França, Nova Zelândia, Austrália e mais alguns cantos por ai.

  • Inglês: Grande erro de muita gente é tentar vagas em Portugal achando que o Inglês não tem importância. Quer sair do Brasil, tenha pelo menos nível B2 de inglês, é fundamental. 99% dos projetos são internacionais com equipes compostas de gente de todo canto do planeta ou tem que lidar com outras equipes sabe Deus de que nacionalidade. O que todos tem em comum? Se comunicam em inglês! Então bora aperfeiçoar ai!!
  • Diploma: Até hoje todas as empresas sérias que ví exigem nível superior, mas tem uma pegadinha ai. São 4 situações, a primeira você tem nível superior em outra área e aprendeu programação para mudar de carreira, muitas empresas topam isso. Segunda situação no seu curso superior não teve alguma cadeira de programação e depois apredeu a programar para mudar de carreira. 70% das empresas vão te aceitar como se fosse núvel superior em IT. Em terceiro, você só tem nível técnico ou nada.. mas sabe programar bem. Uma parte das empresas podem te aceitar, até grandes multinacionais, mas você vai ser enquadrado a nível técnico e vai ganhar menos até completar teu nivel superior. Por fim você tem nivel superior em IT, parabéns mas se não provar que sabe nas entrevistas técnicas vai rodar.
  • CV e Entrevistas: Muita gente negligencia o processo e apesar de ter boa experiência e boa qualidade técnica não consegue avançar nas entrevistas. Uma dica, 90% são reprovados já na entrevista comportamental com o RH. Estude a empresa que vai aplicar para a vaga, saiba quais são os valores dessa empresa, o que é importante para ela. Ter o "mindset correto na entrevista as vezes vale mais do que ser um excelente programador". Elabore um CV para cada vaga, pode ter o CV base, mas de mais importância para aquilo que a vaga requisita. Um cv de 10 páginas não é sequer lido, resuma e aponte para suas qualidades, deixe para explicar melhor na entrevista se assim for solicitado. Um CV grande tem 2 paginas. CV sempre em inglês.. mesmo aqui para Portugal. Invista em você, idiomas, technologias.. etc não fique parado! Saia da zona de conforto.
  • Linkedin: tenha seu linkedind atualizado em inglês!!!! Trabalhe para ter referencias lá! Valorizações, depoimentos.. etc.
  • Sistema de imigração: estude bem como funciona o sistema de imigração para o país que está aplicando, isso é fundamental.

Na minha opinião isso é o básico para começar a procurar emprego. Outra coisa, não seja tão teimoso quanto ao país que você quer. Muitas vezes o objetivo não pode ser alcançado diretamente. Ganhar experiência internacional para depois pular para o seu país originalmente escolhido é uma boa estratégia e agrega valor ao seu CV fazendo tudo acontecer mais facilmente. Se você acelerar muito o processo corre o risco de patinar no mesmo lugar.
Infelizmente profissionais com pouca experiência não estão no radar de uma empresa que está disposta a "importar" mão de obra. Eles querem gente pronta! Essa é uma dura realidade, então faça valer o que eu disse no parágrafo anterior.

Muita gente consegue a tão sonhada vaga no exterior... e depois de 1 ... 2 anos.. voltam para o Brasil. O psicológico é provavelmente o maior inimigo na imigração!!! Imigrar não é fácil! Mesmo com emprego são incontáveis desafios que você vai ter que ultrapassar e em quase todos os casos sozinho. Pesquisar e fazer uma preparação psicológica é muito importante. Tem gente que tem uma vida muito boa fora e volta por não aguentar de saudade. Não julgo de forma alguma, mas a verdade é que imigrar não é para qualquer um.

Por fim, você conseguiu!! Chegou no novo país!!! Eba!! Fica aqui meu último conselho. Não renegue suas raízes mas não imponha as mesmas no novo país. Quando você sai do Brasil existe uma diferença cultural gigante independente do país que vá. Aceite isso, aprenda com isso, divirta-se com isso. Viva o novo país e a nova cultura!

Essa é a minha experiência e minha opinião, espero que ajude.

Abraços

1 reply
@hugopenna

Sensacional seu relato @CassiusHorvath

Já quis muito migrar para fora do BR e atualmente estou querendo ficar por aqui, mesmo com toda a loucura que está rolando. O principal motivo é a saudade das pessoas que me são importantes, no fim acho que isso é o que tem o maior valor pra mim hoje.

Como estratégia alternativa, venho tentando "dolarizar" minha renda e aplicar alguns princípios da "flag theory" mas sem ser um nômade.
Tem sido uma experiência interessante, estudar formas de trabalhar por exterior, fazer essa grana chegar aqui, eventualmente ter uma forma de fazer essa grana não entrar no BR e ainda sim estar legalmente seguro.

Alguns amigos estão trabalhando remoto para empresas de vários cantos do mundo e a percepção que tenho é que a realidade é muito mais fácil do que quando você tenta migrar, pois nesse caso não tem o processo de visto e por conta disso o diploma e o nível de inglês acabam sendo menos importantes, desde que você seja capaz de entregar o seu trabalho adequadamente.

0
9 replies
@GustavoCostaW

Eu estou na situação de muita gente por aí, trabalho para fora há uns 3 anos.

Soluções como a avenue/passfolio entre outras estão aí para isso, a grande maioria dos economistas para quem está começando indicam ter em investimentos algo como:

25% = ações de empresas brasil (bovespa)
25% = ações de empresas USA (dolarizadas, logo você sai do risco brasil-real, usando essas corretoras acima...)
25% = fundos imobiliarios
25% = renda fixa

e depois de ganhar mais experiência você pode adequar a % a sua estratégia que você acredita ou até mesmo adicionar % de ativos como criptomoedas, etc...

@hugopenna

Fala @wggley

hahahaha, explico sim.

São dois pontos que eu vejo hoje.

  1. Ter minha renda definida em dólares, ou seja, trabalhar recebendo em dólares.
    Dai pode ser remoto mesmo, com PJ no BR para receber a grana. O único ponto é que o valor acordado tem que ser em dólares, pq já trabalhei para uma start-up americana que negociava os valores em reais.
    Pra mim isso jé o que os investidores do mercado financeiro chamam de hedge cambial e isso já garante certa tranquilidade quanto a desvalorização do real.
    Nesse caso podendo até gerar oportunidades de aumentar o seu patrimônio no BR, pq as coisas vão estar valendo "menos" dólares e vc vai ganhar cada vez "mais" reais.

  2. Ter parte do meu patrimônio e operação do meu trabalho fiscalmente para fora do BR.
    Confesso que ainda estudei pouco sobre isso, mas a minha ideia é procurar entender as regras de cobrança de imposto e abertura de empresa em outros paises e tentar manter a burocracia fora do BR, legalmente claro, mas morando aqui.
    E é por isso que falei que é uma adaptação da Flag Theory, pq ela parte do pré suposto que você é nomade ou como alguns chamam, viajante perpétuo.

Para o primeiro caso, para mim, parece óbvio que o lance é conseguir ganhar em dólares seja com freelance, seja trabalhando como contractor para alguem, isso é tranquilo de se fazer e eu entendo todas as questões burocráticas necessárias.
Mas o problema aqui é que ainda não sei muitos detalhes de como manter essa grana fora do BR legalmente, imaginando o cenário que estou com uma empresa aqui no BR emitindo nota e pagando 3,05% de imposto.

É ai que entra a ideia do ponto 2, quero aprofundar em como faço para ter uma "vida fiscal" fora do BR que me permita trazer só o necessário e que eu possa ter parte dos meus bens investidos em outro lugar com uma moeda mais estável.


Sobre o que o @GustavoCostaW falou,
Hoje eu penso investimento de uma forma ampla e vejo que tudo que vc pode colocar dinheiro e retornar mais dinheiro é uma forma possível de investimento.

Mas penso em futuramente dividir os ganhos e investimentos em outras moedas, saca.
Mesmo que vá render menos que no BR, se o real desvalorizar, coisas que estão em dólares, ou Euros ou Cripto ou qualquer outra coisa que não seja real, não vão sofrer com isso.

@hugopenna

25% = ações de empresas brasil (bovespa)
25% = ações de empresas USA (dolarizadas, logo você sai do risco brasil-real, usando essas corretoras acima...)
25% = fundos imobiliarios
25% = renda fixa

Eu acho que eu só tiraria a renda fixa, pq ta rendendo quase nada, rs.
Mas minha ideia para o médio prazo é ter uma estrutura assim, não sei se com ações ou com outras formas de investir, mas provavelmente com investimentos dolarizados ou algo do tipo.

1

Como voces mandam no teste de algoritmos? Eu sempre fui muito ruim, e tem 3 anos que tento já, quando chega no teste ou livecoding, sempre mando mal.. ja cheguei em etapas finais da Amazon, Toptal, Andela, Crossover e um monte de empresa gringa... Quando perguntam sobre front ou JS eu mando bem.

3 replies
@eliseumds

Mandava bem melhor quando era mais novo, depois de um tempo de experiência o papo vira outro. Claro que ainda é importante saber como funcionam trees, graphs, hashing, sorting, search, encryption, parsing (AST), memoization, type systems, etc. Agora... como implementar um merge sort? É estupideza a maioria das empresas perguntarem isso. Uma vez uma me perguntou, fiquei puto e eles me respeitaram mais dali pra frente, fui contratado com o dobro do salário anterior. Confiança é extremamente importante também.

Empresas grandes fazem isso pra filtrar a galera, infelizmente é assim que funciona, tem muita gente aplicando pras vagas, então, se eles fossem avaliar cada candidato a fundo, o processo custaria muita grana. Continua estudando e tentando, a nossa indústria só tende a crescer e o número de vagas a aumentar.

@davidsonfellipe

@rubenalvesbcn essa parte de algoritmos é fundamental, há formas de você ir treinando. Geralmente é uma dedicação de alguns meses para ficar mais confortável. Recomendo:

  1. Hackerrank For Developers - https://www.hackerrank.com/
  2. Livro Cracking the Coding Interview - https://www.amazon.com.br/Cracking-Coding-Interview-Programming-Questions/dp/0984782850
@rodrigouchoa

Concordo com o que foi dito acima não tem como escapar desses testes. Eles só servem para filtrar candidatos, afinal seria impossível pra muitas empresas, principalmente as "big tech", entrevistar todo mundo. Esses testes são a maneira "menos injusta" talvez de ter um filtro pra tornar a coisa gerenciável.

Acaba que tem muita empresa que nem precisaria desses testes mas acaba fazendo porque enfim é o que "big tech" faz e eles acabam copiando.

Eu também não gosto. Uma vez tava conversando com um recrutador aqui de Londres e ele comentou que quando esses testes de hacker rank ou similares eram usados recém formados costumavam ter um desempenho bem melhor do que desenv seniores. Por que enfim, so quando voce ta na facul é que voce vai fazer algoritmo pra calcular quantos triângulos retos voce pode ter em um plano de coordenadas cartesianas ou coisa parecida :)

Você não é o único que não se da bem nesses testes :)

1
1 reply
@rodrigouchoa

Tem muita historia absurda no twitter, reddit ou blind, sobre esses desafios de algoritmos em entrevistas. Lembro de uma, acho que era uma entrevista pro Google. Perguntaram pra ele uma solução pra um problema relacionado a investimentos, coisa bem avançada. Ele só sabia porque ele tava preparando feito louco e tinha lido um livro sobre esse algoritmo no dia anterior, que o autor do livro tinha levado uns 2 meses pra criar esse algoritmo e pediram pra ele na entrevista pra fazer em 1h ou algo parecido.

Ele mesmo comentou com os entrevistadores: "A pessoa que fez esse algoritmo levou 2 meses, e vocês querem que eu faca em 1 hora?".

Enfim.. não tem jeito. Outra triste realidade é que entrevista em muitos casos é uma ferramenta para que devs se sintam bem com relação a eles próprios. Virou uma ferramenta para inflar o ego: "Eu trabalho pra apple e se voce quer trabalhar aqui tem que saber muito mais que eu". A entrevista é feita para reprovar as pessoas mesmo.

Um colega do Google aqui já me disse que tem certeza que 90% do google não passaria na entrevista novamente se tentasse uma segunda vez.

1
0 replies
1

Li uma galera falando mal do teste de algoritimo, falando que é desnecessário e tal...

Mas algo que penso sempre é, se lá nesta empresas tem milhares de devs trabalhando, é porque milhares de devs passam nestes testes todos os anos, tem duas linhas de pensamento que você pode construir em cima disto: a galera que fala que isso é furada e não avalia nada e que não deveria ser assim... e a galera que estuda, pratica e passa.

Tudo depende do seu objetivo, se o seu objetivo é entrar no time de produto da AWS, é isso mesmo, se você pretende entrar em outras empresas ou ter a sua própria, não é necessário você saber tudo isso não, mas penso que é e sempre será um diferencial em qualquer lugar do mundo.

0 replies
1

Olá, pessoal. Queria saber mais sobre empresas que fazem a ponte entre o dev e o cliente final. Vi que citaram aqui a Toptal e a Vanhack. Hoje vi no Stackoverflow uma vaga da G2i (no site dessa empresa, inclusive, tem os depoimentos de dois brasileiros). O que vocês acham desse tipo de intermediação? Vale a pena? Obrigado.

1 reply
@rafaels88

@FSaldanha a Vanhack e a Toptal são coisas bem diferentes. A Toptal é uma empresa de consultoria. Você pode trabalhar no time da Toptal em si, ou passar por um processo seletivo e ser aceito como um dos devs que a empresa passa trabalho de outras empresas (trabalho de consultoria). Esse processo é bem difícil, inclusive, mas não impossível. O trabalho na Toptal (tanto no core team ou como dev consultor) são remotos. Bom pra quem quer granhar muito dinheiro morando no Brasil (eles pagam em dólar) ou quer viajar o mundo como nômade digital.

A Vanhack é uma empresa de recrutamento. Ela tem um processo que ajuda você fica cara a cara com empresas grandes do Canadá e te coloca na cara do gol da empresa que vai contratar.

Se vale a pena?, sempre vale a pena se trabalhar pra empresas de fora é algo que você quer :)

1

E ai pessoal, queria ver se alguém sabe dessas vagas que o pessoal comenta no Twitter, que tu pega um trampo no exterior e eles te formam no inglês enquanto você trabalha, já ficaram sabendo de algo assim?

0 replies
1
1 reply
@marcostaborda

Então, também não sei, mas estou tentando descobrir.

Rafael Miranda 🚀 (@orafaelmira) Tweeted:
Vendo movimento de empresas gringas contratando pessoas brasileiras (TI) sem inglês, e formando-as no idioma.

Competição global subindo de nível.

Empresas brasileiras com cultura ruim que se segurem… 🔥 https://twitter.com/oRafaelMira/status/1400236678078472194?s=20

1
0 replies
1
0 replies
Sign up for free to join this conversation on GitHub. Already have an account? Sign in to comment
Category
💬
Discussão
Labels
None yet
Converted from issue
Beta