Skip to content
Permalink
Branch: master
Find file Copy path
Find file Copy path
Fetching contributors…
Cannot retrieve contributors at this time
494 lines (276 sloc) 22.6 KB

Atenção: antes de realizar este capítulo, verifique se você já aplicou a modificação na setting "ROOT_URLCONF" atualizada no capítulo 14: Ajustando as coisas para colocar no ar.

Um índio passou em seu cavalo a galopes entre duas rochas. Havia poeira no ar, e também havia o cheiro da poeira, o Sol castigava a poeira, e a terra vermelha socada por séculos de pouca chuva e muito vento, fazia desenhos através do deserto, com muita poeira.

Os desenhos serpenteavam por aqui e ali, e pelas serpentes, ora passavam cavalos, ora passavam rios, ora passava uma criança chorando no colo de sua mãe, segurando firme seu iPod.

O índio de pele vermelha - não se sabe se era devido ao Sol, devido à terra avermelhada da região ou devido à sua timidez naquele momento - galopou novamente até uma lagoa, entregou peixes à boca de um golfinho, montou seu cavalo novamente e rumou a um celeiro, atravessando por uma janela larga e alta, e...

Opa! Voltando os olhos novamente àquele menino que não para de chorar, agora sentado com sua mãe, assistindo aos colegas terminarem a peça, morrendo de inveja porque não ia ganhar os aplausos do teatro e nem o novíssimo MelecaBoy verde, uma nova mania gosmenta da sessão de desenhos, e... enfim, isso nem interessa...

Ao final, Cadu correu até Cartola, tirou uma onda, curtiu seu momento de ator-mirim e voltou a rodopiar por ali.

Mas Alatazan ainda estava um pouco ligado no assunto do servidor para o dia seguinte...

Mas porquê construir um servidor no Windows?

A maior parte dos servidores web são Linux. Por alguns motivos, em grande parte dos casos os sistemas de padrão Unix, como Linux, Solaris e MacOS X, são mais adequados para servidores quando se trata de Django.

Mas o mundo é multi, e vamos falar agora de como se fazer as coisas no Windows. Os procedimentos são semelhantes nos dois sistemas operacionais, e a parte mais importante - a configuração para ter seu projeto funcionando - é realmente muito parecida entre ambos, portanto seu aprendizado será útil em qualquer caso, mas agora vamos ao trabalho!

Você pode usar a mesma máquina que tem usado para estudar o Django, pois não se tratam de recursos conflitantes.

Esta é uma situação bastante normal para intranets e sistemas em redes locais.

Instalando o Apache

A primeira coisa a se fazer é instalar o Apache - de preferência na versão 2.2. Para isso vá ao site oficial e faça o download do arquivo de instalação:

http://httpd.apache.org/download.cgi

Localize agora um bloco que inicia com "Apache HTTP Server 2.2.10 is the best available version" ou algo bem semelhante a isso. Nesse bloco há uma lista das opções mais comuns de download do Apache. Escolha o instalador para Windows, sem criptografia, que em inglês está assim:

Win32 Binary without crypto (no mod_ssl) (MSI Installer):

Ou quase isso:

Clique no link para fazer o download.

Enquanto o download é feito, sua mente deve estar se perguntando "porquê há um ar de indefinição aqui?".

Software é um produto dinâmico, e software livre é quase orgânico e evolui rapidamente. É provável que ao final deste livro a versão mais recente do Apache será outra, e até mesmo do Django. Ou seja, é impossível indicar um caminho exato para isso hoje, se você vai usá-lo amanhã. Portanto fique ligado e observe que os números da versão podem mudar rapidamente.

Ao final do download, clique duas vezes sobre o arquivo baixado, que será executado e a primeira janela será esta:

Siga clicando no botão "Next" e veja a janela seguinte:

Marque na primeira opção, indicando que aceita a licença do Apache, e siga clicando em "Next" até chegar a esta outra janela:

Preencha os respectivos valores para os campos. Caso não saiba o que preencher ali, preencha da seguinte forma:

Modifique o campo "Administrator's E-mail Address" de acordo com seu próprio e-mail e siga adianta clicando em "Next" até finalizar.

Ao finalizar a instalação, verifique o ícone do Apache na bandeja do Windows, próximo ao relógio:

Agora vá ao navegador e carregue o seguinte endereço:

http://localhost/

Observe que desta vez não informamos a porta, pois estamos indicando que ela deve ser a porta HTTP padrão: a 80. Veja o resultado:

Viu como é fácil ter o Apache funcionando em sua máquina Windows?

Instalando o MySQL

Agora vamos instalar o MySQL, o banco de dados que vamos usar neste servidor.

Para isso, vá ao site oficial de download do MySQL:

http://dev.mysql.com/downloads/mysql/5.1.html#win32

A versão mais indicada é a versão 5.1. Na opção "Windows Essentials (x86)", clique no link "Pick a mirror".

Será requisitado um cadastro gratuito, apenas para fins de propaganda mesmo. Faça-o (não há outra forma, sorry) e siga para selecionar um dos servidores "mirrors" para download.

Após o download, clique duas vezes sobre o arquivo baixado e inicie a instalação do MySQL no Windows.

Siga clicando no botão "Next" até finalizar a instalação.

Ao final será exibida uma nova janela para configuração do MySQL (que por sinal é muito semelhante às janelas de instalação).

Prossiga clicando sobre "Next", modificando as opções padrão somente se estiver certo de tal mudança. Até chegar a essa tela:

Escolha a segunda opção ( "Best Support for Multilingualism" ). Isso vai tornar a codificação de caracteres padrão em "UTF-8", a que melhor se relaciona com o Django, e evitar alguma eventual chatice alguns dias à frente.

Prossiga clicando em "Next" até chegar a esta tela:

Marque a caixa "Include Bin Directory to Windows PATH".

Prossiga clicando em "Next" até esta outra tela:

Determine uma senha difícil de ser quebrada, mas caso tenha dúvidas, simplesmente informe:

  • Password: "123456"
  • Confirm: "123456"

Porquê eu sugiro uma senha tão fácil de ser quebrada? Simples: para que você não o faça!

Prossiga clicando em "Next" até executar a configuração e concluí-la.

Pronto! Agora temos o MySQL rodando em seu servidor Windows!

Python e Django

Caso esta máquina não possua Python ou Django, faça a instalação seguindo os mesmos passos do capítulo 3 - Baixando e Instalando o Django - com a diferença que desta vez não é preciso instalar a biblioteca de acesso ao banco de dados SQLite (pySQLite), pois vamos usar o MySQL.

Biblioteca de acesso ao MySQL

Desta vez, a biblioteca de acesso ao banco de dados será a "MySQL for Python", a biblioteca responsável por isso no Python.

Para fazer o download, vá à seguinte página da web:

http://sourceforge.net/projects/mysql-python

Faça o download do mysql-python na opção "MySQL-python-1.2.2.win32-py2.5.exe". Da mesma forma que as instalações anteriores, a versão atual pode variar para cima (1.2.3, 1.3 ou 2.0 por exemplo):

Após o download, clique duas vezes sobre o arquivo baixado para instalar o MySQL for Python no Windows e siga a instalação clicando em "Avançar" até finalizar.

Instalando o mod_python

Como já foi dito no capítulo anterior, o mod_python ainda é a forma mais comum de instalar projetos em Django no Apache em servidores dedicados, mesmo que a opção mais recomendada seja o WSGI.

Neste capítulo, vamos trabalhar com o mod_python e em um próximo capítulo será a vez do WSGI, isso porque é importante você conhecer os dois. Mas não se esqueça que é possível ter qualquer um deles (mod_python, WSGI ou FastCGI) instalado em Windows ou Linux.

Para fazer o download do mod_python para Windows, carregue a seguinte página em seu navegador:

http://httpd.apache.org/modules/python-download.cgi

Localize o bloco na página que começa desta forma (lembrando que a versão pode variar):

Apache Mod_python 3.3.1 is now available

E abaixo dele, clique sobre o link "Win32 Binaries". Uma lista nada amigável será exibida. Você deve localizar dentre as opções, o mod_python para a sua versão do Python ( 2.5 ) e a sua versão do Apache ( 2.2 ), que atualmente é esta:

mod_python-3.3.1.win32-py2.5-Apache2.2.exe 

Após o final do download, clique duas vezes sobre o arquivo baixado e prossiga clicando em "Avançar" até esta janela ser exibida:

Escolha o caminho de instalação do Apache, que é este:

c:\Arquivos de programas\Apache Software Foundation\Apache2.2

Prossiga para finalizar a instalação.

Agora abra o seguinte arquivo para edição, usando o Bloco de Notas:

C:\Arquivos de programas\Apache Software Foundation\Apache2.2\conf\httpd.conf

Localize uma linha que inicia com "LoadModule" e acrescente a seguinte linha abaixo dela:

LoadModule python_module modules/mod_python.so

Salve o arquivo. Feche o arquivo.

Na verdade você vai encontrar muitas linhas assim, mas não se preocupe. Se acrescentar a nova linha abaixo de qualquer uma delas, estará no lugar correto.

E agora você tem o mod_python instalado em seu servidor Windows.

Configurando seu projeto no servidor

Bom, agora estamos caminhando para o final.

Crie na raiz da unidade "C:" do servidor a seguinte sequência de pastas:

C:\var\django\projects\site_meu_blog

O caminho acima apenas segue a nossa proposta do capítulo 15, mas você pode trabalhar essa configuração como preferir.

Envie (usando seu meio escolhido) a pasta do projeto ( "meu_blog" ) para dentro da pasta criada acima.

Agora na pasta do projeto ( "C:\var\django\projects\site_meu_blog\meu_blog" ) abra o arquivo "local_settings.py" para edição e o modifique para ficar assim:

# Django settings for meu_blog project.
import os
PROJECT_ROOT_PATH = os.path.dirname(os.path.abspath(__file__))

LOCAL = False
DEBUG = False
TEMPLATE_DEBUG = DEBUG

DATABASE_ENGINE = 'mysql'
DATABASE_NAME = 'meu_blog'
DATABASE_HOST = 'localhost'
DATABASE_USER = 'root'
DATABASE_PASSWORD = '123456'

Isso vai fazer seu projeto trabalhar como se deve no servidor: sem modo de depuração ( DEBUG ) e acessando ao banco de dados MySQL. Lembre-se de informar a setting DATABASE_PASSWORD com a senha correta que você informou ao configurar o MySQL.

Criando o novo banco de dados no MySQL

Mas agora precisamos criar um novo banco de dados no MySQL para que seu projeto trabalhe. Como está escrito na setting DATABASE_NAME, o banco de dados deverá ser chamado "meu_blog".

No menu "Iniciar" do Windows, escolha a opção "Executar programa" e digite o seguinte comando:

mysql -u root -p

Uma janela do MS-DOS será aberta para informar a senha do usuário "root" no MySQL. Informe a senha ( a que você escolheu para o lugar de "123456" ), pressione ENTER, e o shell do MySQL será aberto:

Agora digite a seguinte linha de comando:

create database meu_blog;

Este será o resultado do comando:

mysql> create database meu_blog;
Query OK, 1 row affected (0.01 sec)

mysql>

Feito isso, seu banco de dados está criado.

Feche a janela do MS-DOS e vá à pasta do projeto. Clique duas vezes sobre o arquivo "gerar_banco_de_dados.bat" para gerar as tabelas para o novo banco de dados em MySQL. É agora que vamos saber se a nossa configuração está correta:

Informe os dados solicitados ( Username, E-mail, Password e Password again ) da mesma forma que fizemos no capítulo 4 ( Criando um blog maneiro ), com username "admin" e password "1". Após finalizar a geração do banco de dados, feche a janela e...

... pronto! Mais um passo dado! Temos o projeto e o MySQL conversando naturalmente até aqui!

Configurando o Apache para seu projeto

Agora, para ter seu projeto funcionando no Apache, abra novamente o arquivo "httpd.conf" da pasta "C:\Arquivos de programas\Apache Software Foundation\Apache2.2\conf" para edição e acrescente as linhas abaixo ao final do arquivo:

<Location "/">
    SetHandler python-program
    PythonPath "['c:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog'] + sys.path"
    PythonHandler django.core.handlers.modpython
    SetEnv DJANGO_SETTINGS_MODULE settings
    PythonDebug On
</Location>

O que fizemos ali? Bom, ao abrir uma tag "Location", indicamos que o Apache deve seguir uma configuração especial para a sua URL raiz.

<Location "/">

A linha seguinte determina que para esta URL deve ser habilitado o suporte ao Python.

    SetHandler python-program

Esta linha abaixo indica a PYTHONPATH que o Python deve obedecer na máquina virtual que será aberta para esta URL. No caso, atribuímos a pasta do projeto ( 'c:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog' ), acrescentada do que já estava antes na PYTHONPATH ( sys.path ), seguindo a sintaxe do próprio Python para isso.

    PythonPath "['c:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog'] + sys.path"

Na linha seguinte determinamos que o Apache deve utilizar o handler do Django para atender às requisições através do Python neste caso.

    PythonHandler django.core.handlers.modpython

E aqui declaramos uma variável de ambiente que determina o módulo que contém as settings do projeto. Observe que se indicamos a pasta do projeto à PYTHONPATH, então todos os módulos ( arquivos com extensão ".py" ) que estão na pasta do projeto podem agora ser informados com seu único nome, pois eles estão na PYTHONPATH sem nenhum pacote intermediário. Na prática, estamos passando o arquivo "settings.py" para o Django .

    SetEnv DJANGO_SETTINGS_MODULE settings

Por fim, definimos o estado de depuração para a máquina virtual do Python. Como estamos ainda em processo de colocar o site no ar, é prudente manter essa configuração. Quando o site estiver em pleno funcionamento, é recomendável que esta linha seja removida.

    PythonDebug On

Salve o arquivo.

Reiniciando o Apache

Agora, observe o ícone do Apache na bandeja do Windows, próximo ao relógio, clique sobre ele e escolha a opção "Restart" para reiniciar o Apache e aplicar a mudança feita.

Vá ao navegador e carregue o endereço do servidor:

http://localhost/

A seguinte página será carregada:

Olha só! Temos o nosso site funcionando no servidor! Mas onde foi parar tudo aquilo que fizemos de imagens e estilos CSS?

Simples. Lembra-se que a URL '^media/' só é reconhecida pelo Django em ambiente de desenvolvimento? Pois bem, agora temos que configurar o Apache para reconhecê-la. Isto é uma tarefa que não tem nenhum intermédio do Django. É apenas um endereço do Apache que aponta para uma pasta no HD. Vamos lá?

Volte ao arquivo de configuração do Apache ( "httpd.conf" ) e acrescente o seguinte trecho de código ao final dele:

Alias /media "C:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog/media"

<Directory "C:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog/media">
    Order allow,deny
    Allow from all
</Directory>

<Location "/media">
    SetHandler None
</Location>

O bloco acima faz com que o Apache entenda que ao carregar a URL "/media" ( e URLs "filhas" ), a pasta "C:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog/media" deve ser tomada como base, ou seja, a pasta de arquivos estáticos do nosso projeto.

A linha que faz esse trabalho é esta:

Alias /media "C:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog/media"

Mas isso não é suficiente, pois é preciso dar permissão à pasta indicada, portanto, este bloco abaixo dá a permissão necessária:

<Directory "C:/var/django/projects/site_meu_blog/meu_blog/media">
    Order allow,deny
    Allow from all
</Directory>

Por fim, este último bloco desabilita o Python para a URL /media, para que ela trabalhe somente com arquivos estáticos, sem qualquer interferência do Django.

<Location "/media">
    SetHandler None
</Location>

Salve o arquivo. Reinicie o Apache, usando o ícone na bandeja do Windows na opção "Restart" para aplicar a mudança que fizemos.

Voltando ao navegador, pressione F5 e veja como ficou:

Satisfeito? Mas como pode notar, não temos nenhum artigo publicado, devido a ser outro banco de dados. Portanto, vamos ao Admin do site para criar os novos artigos! No navegador, carregue a seguinte URL:

http://localhost/admin/

Veja como ele será carregado:

Eta! Mas nós não havíamos resolvido o problema dos arquivos estáticos?

Sim, mas a URL que resolvemos foi a "/media" - a URL de arquivos estáticos do projeto. Porém, agora se trata do Admin, que é um caso especial, e possui seu próprio caminho para arquivos estáticos, com prefixo "/admin_media", informado na setting "ADMIN_MEDIA_PREFIX".

Portanto, volte ao arquivo de configuração do Apache ( "httpd.conf" ) e acrescente mais estas linhas ao final:

Alias /admin_media "C:/python25/lib/site-packages/django/contrib/admin/media"

<Directory "C:/python25/lib/site-packages/django/contrib/admin/media">
    Order allow,deny
    Allow from all
</Directory>

<Location "/admin_media">
    SetHandler None
</Location>

O que fizemos aí foi exatamente o mesmo que fizemos para a URL /media, mas desta vez trabalhamos a URL /admin_media, que é direcionada para a pasta de arquivos estáticos da contrib Admin.

Salve o arquivo. Feche o arquivo. Reinicie o Apache.

Agora atualize o navegador e veja como ficou:

Pronto! Servidor funcionando, podemos partir para o próximo desafio!

E aí, o quê mais?

  • O quê mais? Meu amigo, estamos no meio da história, e nem terminamos o assunto do deploy! Amanhã vem a última bolacha do pacote.

Cartola encabulou com a energia de Alatazan. Ele não parecia exausto depois da extensa aula de hoje. Pelo contrário, Alatazan queria mais, queria saber quais outras formas de deploy existem, porque essa foi barbada.

Nena, que queria ir embora, puxou a cadeira que estava ao lado, coçou a bochecha, deu uma olhada no relógio e tomou sua vez:

  • Alatazan, amanhã vai ser a minha vez de passar com você... quero te mostrar um servidor no Linux e outras coisas diferentes, vamos mudar isso aqui um pouco que esse ambiente de janelinhas de não é a minha praia não... - Nisso ela olhou irônica para o Cartola, que brigava com seu Mac pra pegar alguns arquivos do iPod. A resposta veio de bate-pronto.

  • Hey, quem gosta de janelinha aqui é o Alatazan, não sou eu não hein, gosto de coisa com mais estilo.

Alatazan mexeu sua peruca desalinhado, fez de conta que não ouviu e tratou de voltar ao assunto:

  • Bom, então hoje instalamos um monte de coisas:

  • Apache 2.2

  • MySQL 5.1

  • MySQL for Python 1.2.2

  • mod_python 3.3.1

  • Olha, não se prenda às versões secundárias, apenas atenha-se a pegar a versão estável mais recente. Geralmente funciona melhor.

  • E só completando, meu camarada... quando ela fala em versão "secundária", isso quer dizer que se aparecer um Apache 3.0 ou MySQL 6.0, é bom fazer uns testes antes, pois as versões primárias geralmente mudam muitas coisas...

  • Ok ok... valeu, já peguei. Por fim..

  • Configuramos o acesso ao banco de dados no arquivo "local_settings.py" do servidor;

  • Criamos o banco de dados no MySQL;

  • Geramos as tabelas do banco de dados pelo Django...

Nena tomou a palavra, já que ela tinha pressa e o Alatazan estava falando lentamente, como se estivesse saboreando um daqueles churrascos de lagartos de Katara...

  • e configuramos o Apache, criando a Location para o projeto e os Alias pra URLs de arquivos estáticos! Aí foi só reiniciar o Apache e a mágica está feita! Vamos embora pessoal?

  • Bacana, amanhã será a vez do Linux! Vai lá meu camarada, vou só pegar essa música aqui e já vou descendo...

Dito isso, Cartola voltou sua atenção para o computador e os dois saíram, se despedindo do Cadú e da priminha que insistia em arrancar seu nariz.

**Próximo capítulo: [Preparando um servidor com Linux](/preparando-um-servidor-com-linux/)**
You can’t perform that action at this time.