New issue

Have a question about this project? Sign up for a free GitHub account to open an issue and contact its maintainers and the community.

By clicking “Sign up for GitHub”, you agree to our terms of service and privacy statement. We’ll occasionally send you account related emails.

Already on GitHub? Sign in to your account

Como construir um arquivo alternativo de uma bienal de arte? / How to build an alternative archive of an art biennial? #12

Open
berinhard opened this Issue Sep 2, 2018 · 0 comments

Comments

Projects
None yet
1 participant
@berinhard
Copy link
Collaborator

berinhard commented Sep 2, 2018

--see English text on the bottom --

Código aberto: Como construir um arquivo alternativo de uma bienal de arte?

Para além do discurso oficial, há outras compreensões possíveis da 33ª Bienal. O projeto Outra 33ª Bienal envolve experimentos e ações para ampliar os discursos oficiais, com modos alternativos de compreensão da exposição. Estes experimentos irão posteriormente dar forma a um arquivo alternativo ao da instituição.

Este espaço é um experimento. Aqui abrimos nossos códigos-fonte (com seu histórico de alterações) e convidamos o público a investigar seu funcionamento, sugerir correções e melhoras, criar novas versões, conversar conosco e entre si, ou simplesmente copiar nosso código. Mais do que isto, é também um arquivo automatizado em que todas estas interações, alterações e recombinações são automaticamente salvas. Abrimos este fórum para pensar também nisto: como construir um arquivo num mundo em que dados e arquivos digitais são tanto os fins quanto o meio? Ou mais ainda, como construir um arquivo digital para o futuro? E, de maneira mais prática, quais arquivos devem ser arquivados, em que formato, e onde (na nuvem, em HDs, no setor de arquivo da instituição, etc)? E o que deve estar disponível a todos, em todas as línguas, ou somente legível a programadores? Como poderia ser um arquivo digital, público, open-source (e alternativo) de uma Bienal de arte?

Para além do arquivo: de que maneira conceitos como Código Aberto e Software Livre podem ajudar a expandir a compreensão sobre a Bienal? Nosso objetivo em criar, alimentar e dar suporte a este espaço está também no potencial de que, através da abertura dos nossos códigos (no mais amplo sentido), podemos ouvir vozes que antes talvez não estivessem incluídas na exposição. Mas também repensar quais devem ser os espaços da arte e de sua presença. Propomos que a virtualidade, com seu potencial para diversas recombinações, colaborações e convergências, seja também um espaço profícuo para a relação com a arte e seus sistemas.

Este espaço será aberto a todas as pessoas, e em constante atualização e interação pela nossa equipe, durante o período de funcionamento do projeto, de Setembro a Dezembro de 2018 (o mesmo período de funcionamento da exposição).


Open source: How to build an alternative archive of an art biennial?

In addition to the official discourse, there are other possible understandings of the 33rd Biennial. The Another 33rd Biennial project is composed of experiments and actions to the broaden official discourses with alternative ways of understanding the exhibition. These experiments will later form an alternative archive to that of the institution.

This space is an experiment. Here we open our source code (with its commit history) and invite the public to investigate its operation, suggest corrections and improvements, create new versions, talk to us and each other, or simply copy our code. More than this, it is also an automated archive in which all these interactions, changes and recombinations are automatically saved. We open this forum to think about this too: how to build an archive in a world where data and digital files are both the ends and the means? Or more so, how to build a digital archive for the future? And, more practically, which archives should be archived, in what format, and where (in the cloud, in HDs, in the archive sector of the institution, etc.)? And what should be available to everyone, in all languages, or only readable to programmers? What would a digital, public, open-source (and alternative) archive of an Art Biennial look like?

Beyond the archive: how could concepts such as Open Source and Free Software help to expand our understanding of the Biennial? Our goal in creating, nurturing and supporting this space lies also in the belief that, by opening our codes (in the broadest sense), we can hear voices that may not have been included in the exhibition before. But also to rethink what should be the spaces of art and its presence. We propose that virtuality, with its potential for diverse recombinations, collaborations and convergences, is also a useful space to relate with art and its systems.

This space will be open to all people, and constantly updated and interacted by our team, during the project's period, from September to December 2018 (the same period while the exhibition is running).

@berinhard berinhard changed the title Código aberto / Open source Outra 33 Bienal de Artes de São Paulo Sep 2, 2018

@berinhard berinhard changed the title Outra 33 Bienal de Artes de São Paulo Como construir um arquivo alternativo de uma bienal de arte? How to build an alternative archive of an art biennial? Sep 2, 2018

@berinhard berinhard changed the title Como construir um arquivo alternativo de uma bienal de arte? How to build an alternative archive of an art biennial? Como construir um arquivo alternativo de uma bienal de arte? / How to build an alternative archive of an art biennial? Sep 2, 2018

Sign up for free to join this conversation on GitHub. Already have an account? Sign in to comment