Skip to content

HTTPS clone URL

Subversion checkout URL

You can clone with HTTPS or Subversion.

Download ZIP
A buildout to run and develop the nsi.sam package
Python Shell
branch: master

Fetching latest commit…

Cannot retrieve the latest commit at this time

Failed to load latest commit information.
etc
profiles
templates
tests
utils
web2pyapps
Makefile
README.rst
bootstrap.py
buildout.cfg
develop.cfg
testAssert.py
teste_carga.sh

README.rst

SAM Buildout

Sistema operacional

Todos os serviços são desenvolvidos sob o sistema operacional Debian 6 (Squeeze) 64 bits e seu funcionamento só é garantido em tal sistema operacional.

Dependências do sistema

Para o funcionamento do serviço, é necessário que os seguintes pacotes estejam instalados no sistema: python-dev, python-setuptools, python-webunit, python-docutils, libxml2-dev, libxslt1-dev, python-profiler, unzip.

Durante a instalação do serviço, ao executar o comando make, todas essas dependências serão devidamente instaladas.

Arquitetura

Como pode ser visto no pacote nsi.sam o sistema consiste em um webservice RESTful hostiado por padrão na porta 8888 na url http://localhost/.

O serviço possui autenticação HTTP básica onde os usuários com acesso permitido ficam em um banco SQLite e todos os parâmetros devem ser passados no coro da requisição formatos como json. Ele é composto por 4 verbos http:

GET
É o verbo responsável pela recuperação de chaves adicionadas no sistema. Ele recebe um parâmetro key, que é a chave do dado que foi armazenado pelo verbo PUT. Se a chave existir, ele retornará um dicionário com os metadados criados automaticamente pelo serviço e o dado armazenado anteriormente na chave "data". Caso a chave não exista, será retornado um erro http 404, informando que a chave não foi encontrada.
POST
É o verbo responsável pela adição de chaves no sistema de armazenamento. Ele recebe um parâmetro value no corpo da request que corresponderá ao dado que será inserido no banco de dados. Retornará para o usuário uma key, que é a chave que deverá ser usada para recuperar o valor armazenado. E uma chave checksum, que contém o hash sha1 gerado com a representação em json do dicionário que será recuperado ao usar o verbo GET. Também há uma chave history onde ficam armazenados data, hora e o nome do usuário que realizou mudanças no registro.
PUT
É o verbo responsável pela atualização do valor armazenado em uma determinada chave. Este deve receber dois parâmetros: key (chave para o valor) e value (valor atualizado). Caso a chave fornecida exista e o valor seja atualizado com sucesso, o servidor retornará um parâmetro key confirmando a chave atualizada e o checksum atualizado para a chave, caso contráro o servidor apresentará um erro http 404, informando key not found.
DELETE
Deleta uma chave do sistema de armazenamento. Recebe como parâmetra uma key (chave) a ser deletada. Se ela existir e a deleção ocorrer com sucesso, retorna uma chave deleted com valor verdadeiro. Se a chave não existir ele simplesmente retorna a mesma chave com valor falso.

Armazenamento específico de arquivos

O serviço tratará como arquivo os registros que possuírem estrutura de dicionario com as chaves "file" e "filename". O conteúdo da chave "file" (o arquivo propriamente dito) será salvo no sistema de arquivos e seu hash sha1 será calculado e armazenado no banco de dados, dentro da chave "checksum".

É possível acessar o conteúdo da chave "file" através do navegador, pela url http://usuario:senha@localhost:8888/file/chave, onde "chave" corresponde à chave onde o conteúdo foi armazenado.

Bibliotecas

Cyclone
Cyclone é um fork do Tornado, um webserver criado originalmente pelo FriendFeed, que foi comprado pelo Facebook mais tarde e teve seu código aberto. É baseado no Twisted e tem suporte a bancos noSQL, como MongoDB e Redis, XMLRPC e JsonRPC, além de um servidor HTTP assíncrono.
txredisapi
É uma API que promove acesso assíncrono ao banco de dados Redis, feita em cima do Twisted.
nsi.sam
Pacote que define as funções e autenticação do serviço.
Redis (banco de dados)

Um banco de dados noSQL que promete velocidade em leitura e escrita enormes.

Possui suporte a listas e conjuntos. A partir da versão 1.4 ele é capaz de guardar hashs. A partir da versão 2.0 tem a funcionalidade de clusters e auto-replicação. Além de um sistema de mensagens baseado em canais. A versão atual em uso é a 2.0.

O banco fica completamente na memória, como o memcached, e é salvo periodicamente no sistema de arquivos usando a política append-only, necessitando assim do mínimo possível de IO.

Instalação

Assumindo que o repositório foi devidamente clonado, criar um ambiente virtual de Python com a versão 2.6. Rodar o “make” dentro do diretório do buildout. Rezar para que funcione.

Executando

Basta executar: bin/samctl start e o serviço estará funcionando perfeitamente. Para adicionar usuário que terão permissão de acesso ao serviço utilizar: python bin/add-user.py usuario senha. E para remover: python bin/del-user.py usuario.

Rodando os testes

Para rodar os testes com o serviço parado, basta rodar: make test. Caso o serviço estejam rodando e não for interessante pará-lo para testá-lo, basta utilizar o exetucável disponível em utils/sam_test. Ele recebe como parâmetro, em ordem, host, porta, usuário e senha do SAM que será testado e realiza testes básicos nele.

Consumindo o serviço manualmente (usando Python)

Com uma biblioteca qualquer capaz de realizar requisições HTTP basta enviar uma requisição usando o verbo desejado e passar os parâmetros necessários em formato json no corpo da requisição. Não esquecendo da autenticação http simples.

O resultado será retornando no corpo da requisição, codificado em json.

Something went wrong with that request. Please try again.